fbpx
Sexta, 19 Outubro 2018 10:12

Câncer de Mama: Metástase

Escrito por Equipe de Gestão de Mídias Sociais - Pegasus Web Sulution
Avalie este item
(0 votos)

No geral, cerca de 30% dos casos de câncer de mama evoluem com metástase. A possibilidade de ocorrer metástase depende fundamentalmente de dois fatores: do tamanho do tumor e grau de comprometimento dos linfonodos e também se existem tumores mais agressivos que outros.

O câncer de mama costuma dar metástase mais frequentemente para ossos, pulmão, pleura e fígado. Considerando especificamente o osso, os sítios mais comuns de metástases são coluna, bacia, costela, fêmur e úmero.

O manejo do câncer de mama metastático é primordialmente medicamentoso, ou seja, quase nunca se opera o sítio metastático, que é tratado com medicamentos. O tratamento pode incluir quimioterapia ou hormonioterapia, a depender do tipo do tumor.

Em casos de metástases ósseas que estejam causando dor ou risco de fratura, uma opção de tratamento é a radioterapia desta área acometida pela metástase. Eventualmente a cirurgia poderá ser necessária em caso de fratura ou iminência desta, a depender do local do corpo.

O que é metástase?

A metástase ocorre devido à capacidade do tumor de formar novos vasos sanguíneos ao seu redor e invadir estes vasos. Algumas células cancerígenas podem se soltar da massa tumoral principal, caindo na corrente sanguínea e circulando pelo corpo até achar um local propício para o seu desenvolvimento. Cada tipo de tumor tem uma afinidade maior ou menor para um ou outro local do corpo no qual pode se alojar, crescer e se desenvolver. Muitas vezes estas células ficam adormecidas por anos e, em algum momento, por fatores ainda não completamente conhecidos, se manifestam.

Vale a pena ressaltar que uma metástase pode se manifestar anos após o tratamento do tumor originário mesmo que este tumor não tenha recidiva no local. A explicação disto é que a metástase se originou na época em que o tumor primário ainda estava presente na mama, momento no qual as células malignas entraram na corrente sanguínea, circularam no corpo e se alojaram em um determinado órgão tendo resistido à quimioterapia e hormonioterapia, bem como às defesas imunológicas, ficando adormecida por anos até se manifestarem.

Dessa forma, o câncer metástase é quase que uma cópia do tumor principal, ou seja, uma célula tumoral filha muito se assemelha a sua célula mãe. Por exemplo, quando fazemos uma biópsia de um nódulo pulmonar metastático de um câncer de mama e enviamos para o patologista, ao analisar esta biópsia no microscópio ele falará que são células do tumor da mama que estão alojadas no pulmão, ou seja, a metástase se assemelha as células do tecido de origem.

Prevenir é o melhor tratamento

Apesar das células do câncer original e sua metástase serem quase idênticas, os tratamentos podem ser diferentes. A maioria dos tumores sólidos localizados tem a cirurgia como a abordagem principal, podendo ser complementado por tratamento medicamentoso. Ou seja, nos canceres iniciais a cirurgia é que tem o papel mais importante.

Ler 2153 vezes

Matérias/Artigos